Mais de 60 anos depois, EUA reabrem investigação sobre assassinato que chocou o país

GETTY IMAGES

Quando a mãe do adolescente americano Emmett Till, Mamie, exigiu que o filho fosse velado em um caixão aberto, ela queria que a imagem do corpo mutilado e irreconhecível do jovem negro de 14 anos despertasse o público para a violência racial que assolava os Estados Unidos.

O linchamento de Till, em 1955, ainda hoje é considerado um dos crimes mais chocantes do país. Milhares de pessoas acompanharam seu funeral, e fotografias de seu rosto desfigurado percorreram o mundo, geraram protestos e ajudaram a galvanizar o movimento pelos direitos civis.

Os dois homens brancos acusados de sequestrar, torturar e matar Till foram absolvidos, e mesmo após confessarem o assassinato em uma entrevista posterior, morreram sem nunca terem sido condenados.

Agora, mais de seis décadas depois, o governo americano reabriu as investigações sobre o caso.

Em relatório entregue ao Senado em março, mas divulgado somente nesta semana, após reportagem da agência de notícias AP, o Departamento de Justiça revelou as investigações devido ao surgimento de “novas informações”.

O relatório não fornece detalhes sobre as novas pistas, e o Departamento de Justiça afirma que não vai comentar o caso por causa da investigação em andamento. Mas, segundo um livro publicado no ano passado, a mulher no centro do episódio que desencadeou o crime mudou sua versão dos fatos e confessou ter mentido sobre o que ocorreu.

Linchamento
Nascido e criado em Chicago, Till viajou em 1955 para visitar familiares em Money, pequena cidade na zona rural do Mississippi, Estado no sul do país que na época mantinha rígidas leis de segregação racial.

Roy Bryant e J.W. Milam celbram absolvição

Roy e Carolyn Bryant (à esq.) e J. W. Milam e sua mulher (à dir.) foram absolvidos por um júri composto, na íntegra, por homens brancos

Em 24 de agosto daquele ano, três dias após chegar à cidade, ele foi a um mercado local comprar balas. A mulher do proprietário, Carolyn Bryant, que é branca e tinha 21 anos na época, acusou Till de ter assobiado, falado obscenidades e a agarrado pela cintura.

Quatro dias depois, o marido de Carolyn, Roy Bryant, e seu meio-irmão, J.W. Milam, entraram na casa onde Till estava hospedado e o arrancaram da cama no meio da madrugada.

O adolescente foi brutalmente espancado e torturado antes de levar um tiro na cabeça. O corpo foi jogado em um rio e encontrado três dias mais tarde.

Linchamentos de negros não eram incomuns no sul dos Estados Unidos na década de 1950 e raramente eram punidos.

Segundo dados da Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP), uma das mais influentes organizações de direitos civis do país, entre 1882 e 1968 foram registrados 4.743 linchamentos. Em 3.446 deles, as vítimas eram negras. Entre as vítimas brancas, muitas foram linchadas por ajudar negros.

Nova versão
Roy Bryant e Milam foram acusados do crime, mas rapidamente absolvidos por um júri composto apenas de homens brancos.

Meses depois, em entrevista a uma revista, ambos confessaram o assassinato e disseram que sua intenção era apenas assustar Till e colocá-lo “em seu lugar”, mas que o jovem reagiu com insolência. “O que mais poderíamos fazer?”, questionou Milam.

Milam morreu em 1980 e Bryant em 1994, sem nunca terem sido condenados.

Em 2008, após décadas de silêncio, Carolyn Bryant, agora usando o sobrenome Donham, deu uma entrevista ao historiador Timothy Tyson em que contradisse seu testemunho no caso e negou que Till tenha feito avanços verbais ou físicos contra ela.

“Essa parte não é verdade”, disse ela, segundo Tyson. “Nada do que aquele menino fez jamais poderia justificar o que aconteceu com ele.”

Corpo de Emmett Till foi exumado em 2005 no Cemitério Burr Oak em Alsip, Illinois, June 1, 2005

Corpo de Emmett Till foi exumado em 2005 no Cemitério Burr Oak em Alsip, Illinois, June 1, 2005. Foto: REUTERS/FRANK POLICH/FILE PHOTO

A entrevista só foi revelada no ano passado, quando Tyson publicou o livro The Blood of Emmett Till (“O Sangue de Emmett Till”, em tradução livre) e gerou especulações de que Carolyn deveria responder por sua participação no crime.

Esta não é a primeira vez que o caso é reaberto. Em 2004, o Departamento de Justiça retomou as investigações para determinar se havia outros envolvidos. O corpo de Till chegou a ser exumado, mas o caso não foi levado adiante.

Reações
Familiares de Till disseram que a notícia da nova decisão do Departamento de Justiça é “maravilhosa”, mas não quiseram comentar para não prejudicar as investigações.

O ativista de direitos civis Jesse Jackson reagiu pelo Twitter: “Em memória de #EmmettTill e milhares de outros homens, mulheres e crianças negras linchados, nós devemos finalmente aprovar uma lei antilinchamento”, disse.

Três senadores negros apresentaram recentemente um projeto de lei para classificar linchamentos como crime federal. Segundo os parlamentares, mais de 200 propostas do tipo foram apresentadas na primeira metade do século passado, sem sucesso.

Um projeto semelhante foi introduzido na Câmara no último mês pelo deputado Bobby Rush, que representa o distrito onde Till está enterrado. No ano passado, após a publicação do livro, Rush pediu ao secretário de Justiça, Jeff Sessions, que reabrisse o caso.

Emmett Till

Till foi morto após ter, supostamente, flertado com uma mulher branca. Foto: GETTY IMAGES

“Estou feliz em ver o governo federal dar prosseguimento a este pedido. Este caso não é apenas criticamente importante pelo papel que teve em desencadear o movimento de Direitos Civis, mas para que Emmett e sua família recebam a justiça que lhes é devida. É vital que todos – tanto vítimas quanto autores – saibam que crimes hediondos dessa natureza nunca permanecerão impunes”, disse Rush em comunicado nesta quinta-feira.

Gesto simbólico
No entanto, alguns consideram a reabertura das investigações, tantas décadas depois, um gesto apenas simbólico e que ignora a violência racial ainda presente no país, especialmente em casos de brutalidade policial contra negros.

“O secretário Sessions já deixou claro que não tem intenção de levar adiante as investigações sobre violência e discriminação policial contra negros que foram iniciadas durante o governo de Barack Obama”, disse à BBC Brasil o historiador Matthew Countryman, professor da Universidade de Michigan.

“Com isso, o Departamento de Justiça se posiciona como preocupado com violência racial no passado, enquanto não age para resolver a violência no presente.”

Fonte: BBC

COMPARTILHAR