Por cumprimento de acordos servidores realizam ato em frente à prefeitura nessa quinta-feira

O presidente do sindicato, Pablo Neves em momento de fala durante o ato em frente à sede da prefeitura de Iguatu. O prefeito Ednaldo Lavor não estava presente.

Cobrando o cumprimento de acordos firmados e exigindo o fim de perseguições contra servidores o SPUMI – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Iguatu – realizou um ato em frente à sede do poder executivo na manhã dessa quinta-feira, 12, no bairro Cohab.
O prefeito Ednaldo Lavor não estava presente e a guarda municipal não permitiu o acesso dos servidores às imediações do prédio sob alegativa de não atrapalhar o trabalho interno. Uma comissão seria autorizada a entrar para uma conversa com a procuradoria, mas os servidores não aceitaram a proposta e aguardam para a reunião com o prefeito na próxima semana.

O presidente do sindicato, Pablo Neves, se mostrou indignado diante a repressão aos servidores. “Mesmo em um ato pacífico o poder público tenta coagir os servidores a não se mobilizar, mas não arredaremos o pé”, afirma.
O ato contou com a participação de servidores de vários equipamentos, que demonstraram seu repúdio à postura da gestão do prefeito Ednaldo Lavor em relação aos servidores. Segundo comentários, havia medo por parte de alguns funcionários de sofrer retaliações e por isso alguns não estiveram presentes. Mesmo assim o ato teve um bom número de servidores.

Os servidores tentaram chegar ao setor interno da prefeitura, mas não tiveram a entrada autorizada sob alegativa de perturbar os trabalhos internos.

A concentração teve início por volta das 8 da manhã, em frente à sede do executivo iguatuense. O ato foi convocado pelo Sindicato dos Servidores de Públicos Municipais, SPUMI. Cantando palavras de ordem e cobrando o cumprimento dos acordos firmados, o grupo permaneceu em frente à prefeitura boa parte da manhã.

O poder público marcou uma reunião com o sindicato para a próxima semana, no dia 18 de julho. Entre as pautas de reivindicação está o pagamento do auxílio insalubridade, correção de ocorrências de assédio moral, transferências arbitrárias, entre outras.

COMPARTILHAR