A Caatinga mais uma vez está em chamas no interior cearense. Há dias o fogo queima em área limite entre os municípios de Iguatu e Cedro.

O ambientalista, Paulo Ferreira Maciel, observa que o fogo é criminoso e explica: “Não há ignição espontânea na Caatinga. As queinadas são provocadas segundo a intencionalidade de “limpar terrenos”. O fogo controlado, apesar de previsto na lei, não para passa de retórica, visto que não há fiscalização regular nem órgãos que as autorizem, pois a prática do “fogo controlado”, mesmo quando devidamente autorizado e fiscalizado, já mostrou-se uma prática deletéria aos ecossistemas do bioma Caatinga, afetando a microvida do solo e sua fertilidade, bem como a biodiversidade em geral”.

Para Paulo Maciel, as queimadas como prática agropecuária são usadas a cada ano. “Fogo controlado é cada vez mais um engodo”, ressaltou. “Fiscalização, investigação e punição dos criminosos é dever do Estado”.

Fonte: Diário Centro Sul