Com presença do secretário de meio ambiente e urbanismo Marcos Ageu, a Câmara Municipal de Iguatu (CMI) aprovou o projeto de alteração da lei de ocupação do solo no município. Outra pauta aprovada, mas de autoria parlamentar, instituiu o dia municipal de combate a violência contra mulher.

A mensagem do executivo assim como a proposta parlamentar tramitaram em regime de urgência nesta terça-feira, 12, com a realização de três sessões extraordinárias.


O projeto de alteração de ocupação solo visa a segmentação de empreendimentos e do seguimento industrial.

A atualização propõe adequar ao meio urbano atividades para fábricas de pequenos portes e oficina que inicia na área da Cachoeira do Complexo do Cocobó contorna o Bairro Alto do Jucá pelo Pontilhão no Bairro Fomento e retorna ao mesmo ponto.
Conforme o secretário o projeto permitirá os empresários locais a obterem licenciamentos ambientes e assim obterem acesso a linhas de créditos junto a instituições financeiras.

“Lei Maria Augusta”

De autoria da vereadora Eliane Braz (PTB), o projeto de lei que define o dia 23 junho de dia municipal de combate a violência contra a mulher e ao feminicídio obteve a subscrição de todas as bancadas. A data que passa a integrar o calendário oficial do município é uma referência ao dia que Maria Augusta foi morta.

Conhecida pela comunidade católica como a ‘virgem de Iguatu’, Maria Augusta foi assassinada pelo pai, após se negar ser abusada no ano de 1951 na zona rural da cidade. No município os religiosos o adotaram como santa, com relatos de causas alcançadas graças a sua interseção.

Da Redação