Arte marcial milenar e eternizada por Bruce Lee e Jackie Chan, o Kung Fu Wushu tem um cearense entre os melhores praticantes do mundo. Famoso pelos times de futebol e grandes nomes do vôlei de praia, o Estado conquistou o vice-campeonato mundial do esporte com o atleta Carlos André, em torneio realizado entre os dias 14 e 18 de junho, na cidade de Meishan, China.

A 8ª edição foi disputada por mais de 5.000 atletas, representando 50 países. Adepto da modalidade Taoli, que valoriza a performance, Carlos André foi destaque com o uso da arma Dadao, equipamento formado pela união de uma lança com uma faca. Retomando os treinamentos em Fortaleza logo após o título, o próximo desafio é a manutenção da hegemonia nacional.

“Estou indo buscar agora o octacampeonato brasileiro seguido, em torneio realizado em Santa Catarina. Como venho de lesão de nível grave, tenho três níveis de preparação para ficar apto ao campeonato”, explicou.

O tratamento da contusão, localizada na coxa direita, está sendo conduzido juntamente com o fisioterapeuta Arthur Favela, da Academia Arfit. O profissional afirmou que o esporte auxilia na concentração, equilíbrio do corpo e flexibilidade do competidor, mas a performance em alto nível pode ocasionar problemas musculares pelo esforço exigido ao lutador.

“O equipamento em si pode ferir porque acaba conduzido em velocidade e, se pega em alguma parte do corpo, causa uma lesão bastante grave. Mas o que causa mais lesões são as repetições, porque esse movimento é refeito milhares de vezes”, declarou.

Organizado pela Confederação Brasileira de Kung Fu Wushu (CBKW), a 30ª competição nacional ocorre entre os dias 4 e 8 de setembro, na cidade catarinense de Bombinhas. Ao todo, seis estilos da arte marcial são permitidos, com o cearense Carlos André defendendo o Wushu Moderno.

Campeão e mestre

A rotina de Carlos André é dividida entre treinamentos e aulas. Além de multicampeão, o cearense administra uma escola de artes marciais chinesa denominada WSM, que tem filiais em todas as regiões do Nordeste.

Com 41 anos, o instrutor e atleta já definiu um substituto: Matheus Moura, de 23. Aluno de Psicologia na Universidade de Fortaleza (Unifor), o jovem começou a treinar com Carlos e se sagrou campeão brasileiro universitário de Wushu, no Jubs 2019.

Fonte: Diário do Nordeste

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome