As chuvas da última semana mudaram a paisagem da Cachoeira de Missão Velha, no município homônimo, um dos cartões-postais da região do Cariri. A confluência das águas que formam o Rio Salgado compõe três quedas d’água de aproximadamente 12 metros de altura. O recurso hídrico contribui com o aporte do açude Castanhão, que abastece a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Nos quatro principais territórios que formam as águas que caem na Cachoeira de Missão Velha choveu acima de sua média histórica, neste mês de março. Em Crato, foram 439 milímetros, até agora, o que representa 78,8% acima de sua média (245,6 mm). Já em Juazeiro do Norte, registrou 430 milímetros, número 81% acima (237,5 mm).

Outro município que contribui para formar as águas que caem na cachoeira, em Barbalha choveu, até agora neste mês, 377,7 milímetros, ou seja, 49,6% acima de média mensal. Por fim, em Missão Velha, nestes 29 dias de março o volume das precipitações é mais que o dobro para o período: 123,9%. O acúmulo é de 532,2 milímetros, enquanto a média é de 237,7 milímetros.

A sub-bacia do rio Salgado é o principal afluente da margem direita do rio Jaguaribe e compreende 24 municípios das regiões do Cariri e Centro-Sul. “Mais de 60% da água acumulada do Castanhão é da bacia do Salgado”, garante o geólogo, ex-presidente da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), Yarley Brito.

Com as chuvas acima da média, o açude Castanhão está próximo de igualar seu melhor volume nos últimos quatro anos: 9,94%, em abril de 2016. Hoje, o maior reservatório do estado está com 9,12% de sua capacidade. Neste mês de março, teve um aporte de 94 milhões de metros cúbicos de água — 39,5 milhões apenas entre a última sexta-feira e o último sábado (28).

Turismo

A cachoeira de Missão Velha é um dos nove geossítios que compõe o Geopark Araripe. Além da bela paisagem, apresenta aspectos geológicos interessantes, como a sua rocha sedimentar de arenito da formação Cariri, com aproximadamente 420 milhões de anos. A estrutura também preserva icnofósseis, que são vestígios da atividade vital de antigos organismos, neste caso, invertebrados aquáticos.

Garantia hídrica

Com a conclusão do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco, hoje com 97,4%, a expectativa é que a água do ‘Velho Chico’ chegue ao Ceará até o primeiro semestre deste ano. Através dela, o rio Salgado ganhará um importante reforço, já que o chamado ‘eixo emergencial’ do Cinturão das Águas do Ceará, obra do Governo do Estado, direcionará o recurso hídrico até ele.

Por 53 quilômetros de canais, túneis e sifões, a água seguirá por gravidade de Jati até o Riacho Seco, em Missão Velha, seguindo pelo rio Salgado até desaguar no Rio Jaguaribe, onde cairá no maior reservatório do Estado. Segundo o o diretor de Águas Superficiais da Superintendência de Obras Hídricas (Sohidra), Antônio Madeiro Lucena, se a calha do rio estiver cheia, este recurso hídrico deve chegar ao Castanhão entre 20 a 25 dias. Seco, pode levar de 40 dias a dois meses.

Fonte: Diário do Nordeste