A atriz e secretária Nacional de Cultura, Regina Duarte, provocou uma onda de protesto e revolta da classe artística brasileira diante da sua infeliz e assustadora entrevista concedida à CNN na noite de quinta-feira (07). Em determinado momento, ela chegou a chamar seus seguranças a fim de que pudessem intervir na entrevista e evitassem perguntas indigestas.

Quando indagada sobre a ditadura ocorrida no Brasil, Regina minimizou, debochou e começou a cantar. Ao ser questionada sobre o que o órgão comandado por ela tem feito efetivamente para apoiar artistas nessa época de pandemia, apresentou ações aleatórias, dispersas e de pouco resultado prático.

Quando a atriz Maitê Proença, através de vídeo, fez uma pergunta, Duarte tirou o microfone do ouvido, fez chacota e começou a criticar ao vivo os jornalistas da emissora. “Ah, não vão fazer isso, isso é baixo nível. Vai botar uma fala da Maitê? Eu tinha tanta coisa para falar. Vocês estão desenterrando mortos. Vocês estão carregando um cemitério nas costas. Eu não quero ficar olhando para trás. Se eu ficar olhando para o retrovisor, eu vou dar trombada. Tem que olhar para frente, tem que amar o País. Ficar cobrando coisas que aconteceram nos anos 60, 70, 80”, esbravejou.

Reações calorosas

Pouco tempo depois, como era de se esperar, a classe artística utilizou as redes sociais para criticar a postura de Regina Duarte – que, convenhamos, assustou quem tem o mínimo de bom senso e inteligência. “Fiquei chocado quando na entrevista você simplesmente achou normal as mortes e chancelou a tortura. Dói mais e mais vê-la assim. Que aconteceu com você, Regina?”, questionou o autor Walcyr Carrasco.

O ator Tonico Pereira também se pronunciou. “Fui assistir à entrevista da Regina Duarte e já pensava comigo que iria ser péssimo. Ela conseguiu me surpreender. Foi muito pior do que eu pensava”, afirmou.

Anitta chegou a ir ao perfil pessoal de Regina Duarte para criticá-la. “Vejo que a senhora me segue aqui no Instagram e gostaria de dizer algo como cidadã. Acho que haveria mil outras formas de se pronunciar sem ser grosseira com os demais. Uma pessoa que aceita assumir a secretaria de cultura está aceitando trabalhar para o povo, isso significaria escutar TAMBÉM os lados que pensam diferente da senhora e colocar sua posição sobre a questão. Se recusar a ouvir uma opinião contrária logo depois de enaltecer os tempos de ditadura me causa muito medo. Até porque eu e muitos dos meus amigos seríamos os primeiros censurados caso esse regime voltasse ao Brasil e nós continuássemos no exercício do nosso trabalho. Governar apenas para os que te causam afeição não é governar para o povo. Não seria mais inteligente responder com calma e sabedoria o que tem sido feito pela classe cultural em virtude dos acontecimentos do covid 19? Aliás, o que tem sido feito? Por mais que a senhora não tenha medo do vírus, não deveria trabalhar também para os que têm e estão levando a situação a sério? Seu cargo só governa para quem pensa semelhante à senhora? E as famílias que perderam parentes com a doença? Como se sentiriam ouvindo um depoimento de quem faz pouco caso do momento? Onde está a empatia?”, desabafou.

O galã Juliano Laham também se pronunciou. “Profundas decepções. Que vergonha te ver nesse cargo! Um grande desastre eu diria”, comentou.

A modelo Lea T foi outra personalidade que criticou Regina. “A senhora vai ficar nos livros de história como a sócia de um movimento político neofascista”, analisou.

A atriz Alice Wegmann publicou no perfil de Duarte um comentário. “Espero que, se ainda restar algo de bom dentro da senhora, ajude a classe que já pertenceu algum dia. E sabe que tem muitos artistas, técnicos que trabalham MUITO, SIM, e que nesse momento estão passando necessidade e, SIM, precisam de você. Você vem provando ser o contrário do que um artista é. Somos humanos, sensíveis, queremos criar, transformar, apontar a beleza do mundo, sonhar, agir e mudar. A senhora não tem feito nada. E quando faz, faz de forma extremamente deselegante e com má intenção”, escreveu.

Debora Bloch mostrou indignação. “Você não tem humanidade, Regina Duarte? Que vergonha! Que horror! Que triste”, opinou.

Bruno Gagliasso fez um longo e emocionante desabafo. “Não dá pra desculpar não, Regina. Não dá pra desculpar o seu deboche com torturados pelo Estado, sua naturalização da barbárie. Não dá pra desculpar sua arrogância ao dar de ombros às minorias, esquecendo-se que a senhora é parte do governo e tem a obrigação de trabalhar para todos, não apenas sua pretensa maioria. Não dá pra desculpar seu silêncio, sua falta de projetos, a forma como você trata os trabalhadores do audiovisual brasileiro. Não dá pra desculpar sua falta de diálogo com a categoria, a sua estupidez com jornalistas e ex-colegas de trabalho. Não dá pra desculpar a preferência que a senhora tem por ditadores, genocidas, irresponsáveis, gente sem compromisso com a verdade e com a vida. Não dá pra desculpar os 9.146 corpos que estão enterrados com uma pá de descaso do seu governo. Não dá pra desculpar todos esses caixões que a senhora desenterra e carrega nas costas junto com seu governo e com sua ideologia monstruosa. Não dá pra te desculpar, Regina. Não dá pra desculpar”, concluiu.

Fonte: CNews