O coletivo CULTURA NO LARGO, da cidade de Icó, lançou nesta quinta-feira (06) o primeiro chamamento oficial para o festival TAMARINEIRAS, que acontecerá dia 08 de março de 2020 (dia internacional da mulher) embaixo dos famosos pés de Tamarindo de Dona Glória Dias, símbolo marcante de resistência e protagonista de uma das lendas de Icó.
O objetivo do grupo é realizar um evento cuja programação seja inteiramente formada por mulheres. No festival haverá apresentações de diversas linguagens artísticas, desde pintura à poesia; da arte de rua à exposições; poemas, fotografias, artesanato e toda e qualquer vertente da arte, além de oficinas e rodas de conversas.



Para se inscrever, basta preencher a ficha de inscrição que está no instagram do coletivo (@culturanolargo); segue o link da inscrição: http://bit.ly/tamarineiras

“O Cultura no Largo já tem em sua tradição fazer arte para todos. Agora leva essa proposta de uma forma ainda mais profunda, criando um espaço específico e exclusivo para as mulheres – profissionais ou amadoras, para que elas possam também refletir sobre o fato da mulher não ter espaço para exibir seu trabalho artístico, principalmente em nossa região.

Alexia Duarte é produtora cultural do Cultura No Largo, que leva ações culturais ao Largo do Theberge em Icó. Foto: Hadna Alcântara

Uma consciência de existência é necessária para que as mulheres possam reclamar os seus direitos juntas. Falamos muito de democratizar a arte, porém, alguns setores continuam marginalizados e a ARTE DE MULHERES é um desses setores.

São poucas as mulheres que conseguem enfrentar um mundo em que a lógica toda funciona para beneficiar homens. As Tamarineiras é o espaço onde a arte poderá ser feita por mulheres e para mulheres, de uma forma consciente e inevitavelmente, política.” – Destaca Patrícia Gomes, produtora do Tamarineiras e artista visual.


“Queremos abrir portas para as artistas da nossa região e quem sabe incentivar novos talentos escondidos. O dia 8 de março é uma data forte, cheia de significados e conquistas. Para nós, reunir mulheres artistas em um ambiente tão importante para discutir e apresentar nossa arte será fundamental para nossa formação enquanto mulheres independentes e resistentes.” – Ressalta Alexia Duarte, produtora do Tamarineiras e artista da cidade de Icó.

Em tempo
Dona Glória Dias é uma de nossas principais personagens do Icó Antigo. Seu sobrado até os dias atuais permanece na cidade. Localiza-se na Rua Desembargador José Bastos, antiga Rua das Almas e que até hoje é conhecida como Rua das Tamarindas, devido aos centenários pés de tamarindeiros existentes neste lugar.

Conta-nos os estudiosos de Icó, como os historiadores Miguel Porfírio de Lima (in memorian) e Altino Afonso, técnico da Secretaria de Cultura e Turismo, que dona Glória Dias travou importante batalha contra um dos homens mais poderosos desta terra, o Barão do Crato, que residiu em um imponente sobradão, bem próximo de sua residência.

Certa vez, o Barão do Crato mandou seus “capangas” colocar o seu gado bem em frente a residência de dona Glória Dias, acarretando uma verdadeira briga e confusão. Sabendo disso, a matriarca resolveu logo a situação: mandou o barão retirar o seu gado do lugar, com a promessa de que se não o fizesse imediatamente, iria mandar soltar milhares de bombas, o que acabou acontecendo.

Outra versão diz que na verdade o Barão estaria incomodado com o cheiro das fezes de outros animais, informando a Dona Glória que ele mesmo cortaria os Pés de Tamarindo. Afrontosa, Glória Dias infestou a frente de seu casarão com bombas e ameaçou explodi-las caso o barão tocasse em suas árvores.

Estas bombas posteriormente serviram para enaltecer e celebrar ainda mais a tradicional Festa do Senhor do Bonfim, nosso padroeiro e acontecida anualmente entre dezembro e janeiro. Até os dias atuais, este festejo é realizado com fervor e devoção pelos milhares de icoenses e visitantes.
Por Voltaire Xavier (in memorian)