Projeto, programado para 2021, visa aprender mais sobre nosso satélite natural para, posteriormente, enviar astronautas

A Nasa anunciou as cargas que vão para a Lua na primeira viagem comercial da agência, com veículos criados por companhias selecionadas para seu programa, em 2021. Serão 16 objetos no total, que serão usados em experiências científicas e demonstrações de tecnologia. Os objetos serão lançados a bordo das duas primeiras entregas da Commercial Lunar Payload Services (CLPS).

O CLPS é um projeto desenvolvido junto ao Programa Artemis, que pretende levar o próximo homem e a primeira mulher ao satélite até 2024. As cargas são pequenas, pesando entre 1 kg e 15 kg, do tamanho de uma caixa de sapatos.

Os objetos sairão da Terra em dois voos, realizados pelas empresas Intuitive Machines e Astrobiotic Technology, dos EUA. A primeira enviará cinco cargas a bordo da sonda Nova-C, que partirá em um foguete SpaceX Falcon, enquanto a segunda lançará a sonda Peregrine, de um foguete da United Launch Alliance, carregando 11 objetos.

A Nasa enviará vários objetos para pesquisa. O objetivo é colher dados para aprofundar o conhecimento lunar antes de enviar novos astronautas. Veja abaixo quais são os objetos e o que eles fazem:

-Linear Energy Transfer Spectrometer (LETS)
um sensor que coletará informações sobre radiação lunar
-Navigation Doppler Lidar for Precise Velocity and Range Sensing (NDL)
fornece a velocidade e o alcance, necessários durante a descida, para ter um pouso suave em solo lunar
-Photovoltaic Investigation on Lunar Surface (PILS)
uma plataforma de testes da ISS (Estação Espacial Internacional) para validar células solares que convertem luz em eletricidade
-Laser Retro-Reflector Array (LRA)
uma coleção de oito espelhos de aproximadamente 1,25 cm que serão montados em uma sonda, para refletir a luz de outras naves em órbita e afirmar sua localização
-Surface Exosphere Alterations by Landers (SEAL)
avaliará as perturbações térmicas e químicas ocorridas no solo lunar durante pousos de naves
-Mass Spectrometer Observing Lunar Operations (MSolo)
usado para medir a exosfera lunar e a contaminação causada por naves espaciais
-Fluxgate Magnetometer (MAG)
caracterizará campos magnéticos
-Near-Infrared Volatile Spectrometer System (NIRVSS)
medirá hidratação, metano e dióxido de carbono da superfície e subsolo, além de mapear mudanças de temperatura
-PROSPECT Ion-TRap Mass Spectrometer (PITMS) for Lunar Surface —Volatiles
identificará as características da exosfera lunar após descida e pouso
-Neutron Measurements at the Lunar Surface (NMLS)
determinará a quantidade de radiação de nêutrons; observará e detectará a presença de água ou outros elementos raros
-Neutron Spectrometer System (NSS)
procurará indicações de água e gelo, e medirá a quantidade de materiais com hidrogênio perto do local de pouso
-Stereo Cameras for Lunar Plume-Surface Studies (SCALPSS)
vai captar imagens e vídeos da pluma do aterrissador quando ela impactar a superfície lunar
-Lunar Node 1 Navigation Demonstrator (LN-1)
demonstrará navegação autônoma para apoiar futuras operações
-Observações de Rádio de Baixa Frequência para a Superfície Lunar do Lado Próximo (ROLSES)
determinará a densidade da bainha de fotoelétrons e a altura da escala.

Programa Artemis

Desenvolvido pela Nasa, em parceria com empresas de voo espacial comercial norte-americanas e parceiros internacionais, o Artemis tem como objetivo enviar a primeira mulher e o próximo homem à superfície da Lua até 2024. Segundo a Nasa, esse é o primeiro passo para estabelecer uma presença sustentável no satélite. A ideia é usar os aprendizados na Lua “para dar o próximo salto gigante – enviar astronautas para Marte”.

O CLPS tem 14 empresas contratadas, com o objetivo de oferecer experiências científicas na superfície lunar. A Nasa prevê avanços em pousos e veículos espaciais com o Artemis, que auxiliarão nos estudos para missões lunares a partir de 2024.

Fonte: Olhar Digital