Os 70 anos de sacerdócio do primeiro bispo da Diocese de Iguatu, Dom José Mauro Ramalho, foram celebrados por missa solene na última quarta-feira,05. A comemoração do Jubileu de Platina marca como referência o ano de 1948 quando Dom Mauro era ordenado padre. A Igreja Matriz de Senhora Santana, primeira catedral da diocese, foi o lugar escolhido para receber amigos, familiares, autoridades e a comunidade católica.

Padres, seminaristas, parentes do homenageado e centenas de católicos e amigos participaram do evento religioso. A sobrinha de Dom Mauro Ramalho, Ilana Ramalho, falou em nome da família e destacou as homilias do bispo e a atenção que ele sempre dedicou à família. “Sempre ele estava entre Iguatu e Russas acompanhando os acontecimentos da família, orientando, dando apoio”, contou.

 

Dom João Costa arcebispo de Aracaju e o atual bispo Dom Edson de Castro acompanharam a celebração – Foto (Thiedo Henrique/Mais FM)

Bispado

Desguiando pelo Papa João XXIII, Dom Mauro chegou a Iguatu no dia 03 de fevereiro de 1962 tomando posse no Trono Episcopal no dia imediato, por ocasião da solenidade litúrgica em que se procedeu a Ereção Canônica da Diocese de Iguatu.

Após 38 anos de serviços ininterruptos, Dom Mauro, por decisão papal do Papa João Paulo II no dia 26 do setembro de 2000, em virtude de ter atingido a compulsória –  75 anos de idade – passou o cajado ao sucessor bispo auxiliar Dom José Doth de Oliveira (in memoriam).

Dom João Costa, arcebispo de Aracaju, e ex-bispo local, pontuou a sensibilidade e acessibilidade do homenageado para com os fiéis. “Um homem preocupado com a evangelização. Um pastor com cheiro das ovelhas, sempre amando aconselhando as pessoas que nele se aproximavam”, citou.

A Igreja Matriz de Senhora Sant’Ana primeira catedral da diocese recebeu os religiosos – (Foto Thiedo Henrique/Mais FM)

“O vigor espiritual e físico de Dom Mauro é uma marca única”, afirmou o atual bispo diocesano Dom Edson de Castro. “Merece e precisa receber nosso afeto e gratidão.Uma figura que possui um a expressividade pelo modo de ser e agir. Ele representa a fidelidade e experiência.

Políticos

Prefeito e vice da cidade também prestigiaram a ocasião.  Marcos Sobreira representou o governador Camilo Santana e também evidenciou a vida de Dom Mauro dedicada ao fortalecimento da diocese, das paróquias, o aconselhamento aos devotos. “Tantas vidas foram salvas pelo legado espiritual do bispo. Pessoas se aproximaram dele por ser a referência religiosa da época. Cresci sob esse legado e é muito valoroso poder está presente nesse momento”, disse Marcos.

Ednaldo Lavor ressaltou a importância de mais entidades reconhecer o seu valor. “Vida longa a Dom Mauro, que demais instituições saibam reconhecer esse homem que é o patrimônio do povo da Região Centro-Sul. O coração trasborda de alegria em saber que ele se mantém perto de nós ajudando e compartilhando de seus ensinamentos”, pontuou.

Legado e luta social

O legado de Dom Mauro é marcado pela criação e instalação da Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a construção do prédio sede do Seminário Diocesano, a instalação e inauguração de diversos departamentos do bispado, edição do boletim da diocese, criação do cargo de Vigário Geral, além de diversas outras realizações em benefício da comunidade católica. Liderou causas sociais e de interesse popular como a campanha em prol das indenizações dos antigos proprietários da bacia hidráulica do açude Trussu, e lutou ainda pela instalação e funcionamento da Faculdade de Educação de Ciências e Letras de Iguatu (FECLI).

Agradecimentos

Os presentes entoaram o Hino da Padroeira de Iguatu, Senhora Santana, música composta por Dom Mauro em parceria com o segundo bispo, Dom José Doth. De forma delicada, Dom Mauro agradeceu a todas as homenagens. “Não há mais o que dizer; todos já falaram por mim. Aos que vieram, só posso agradecer e pedir que Deus os abençoe”.

Perfil

José Mauro Ramalho de Alarcon e Santiago, 93,bispo emérito de nossa diocese, nasceu em 14 de maio de 1925 na cidade de Russas, fez seus estudos eclesiásticos no Seminário da Prainha, em Fortaleza, onde ingressou em 1937 concluindo o curso de seminário maior em 1948 quando foi ordenado sacerdote por Dom Aureliano Matos,bispo da diocese de Limoeiro do Norte.

Padres, seminaristas, parentes do homenageado e centenas de católicos e amigos participaram do evento religioso (Foto Thiedo Henrique/Mais FM)