Depois de uma parada para descanso, eis que ressurjo. Minhas congratulações a tod@s. Esforçar-me-ei no sentido de dar continuidade aos nossos encontros semanais da maneira mais pontual e assídua possível. Continuo com o ressentimento da falta de um mecanismo que nos proporcionasse uma maior interação e um melhor compartilhamento das nossas formas de pensar e olhar o que está acontecendo ao nosso redor, afetando o nosso bem estar, sossego, saúde, paz e o nosso bom humor. Todavia, ainda não nos foi possibilitado…

Nos últimos dias ative-me à observação dos imbróglios intelectuais envolvendo os mais conspícuos atores e atrizes do alto escalão da elite do atraso no Poder Central da nossa República. Observando minuciosamente os acontecimentos, em especial as querelas verborrágicas enredadas pelos principais interlocutores, fico a imaginar como é vergonhoso para os verdadeiros intelectuais da nossa sociedade ser submetidos ao vexame de fazer parte de uma republiqueta de idiotas poderosos, desonestos, desinformados, desumanos e desprovidos de bom senso.

Tenho convicção de que a cada momento um novo e grandioso palhaço é feito de fantoche da vez para regurgitar uma série de impropérios, achaques, achincalhamentos, afrontas, desrespeitos, devaneios tolos e tudo o mais que possamos classificar como indesejável, preferencialmente direcionado a uma respeitável personalidade/autoridade, nacional e/ou internacional, afora as supostas e inverídicas afirmações levadas ao público como “polêmicas”, no sentido de mobilizar a comoção e a sensibilização em massa, com o único intuito de desviar o foco das atenções das verdadeiras e importantes causas políticas que afligem a nossa sociedade.

Façamos um retrospecto: o famoso Olavo: “a Terra é plana”; a respeitável Damares: “meninos vestem…”; o intocável Moro: “os homens surtam…”; o filhinho do papai: “sei fritar hambúrguer, logo…”; o excelentíssimo senhor ministro da Educação comete um imperdoável erro de grafia na Língua Portuguesa; o Super Guedes agora resolveu opinar acerca da beleza feminina; O guardião dos bons costumes e super ator pornô, o FROTÃO, bate o pé, faz “mi mi mi” e volta à cena nacional; vez por outra, o super MAIA, das alturas do Congresso, também resolve contracenar. Para finalizar, vem o Excelentíssimo Senhor “Comandado” e, perdoem-me, faz as suas cagofonias semanais, inclusive, sugerindo-nos cagar em dias alternados…

Pode-se designar pelo nome de egocentrismo do pensamento infantil essa característica intermediária entre o autismo integral constituído de devaneios incomunicáveis e a característica social da inteligência do adulto a ausência de limites precisos entre o eu, ou o mundo das representações subjetivas, e o não-eu, ou o mundo das representações exteriores ou objetivas. o egocentrismo é fenômeno tipicamente intelectual, embora se manifeste de formas variadas em outras áreas do comportamento infantil. Faz-se mister ir procurá-la no terreno da inteligência e não mais no campo moral ou social (FONZAR, 1986).

Quero assinalar com esta citação do respeitado professor da USP que tudo isso que se passa nesse atual desgoverno do Brasil nada mais é do que uma escatológica síndrome de egocentrismo de pessoas despreparadas, desorientadas, infames que não conseguiram ultrapassar a Fase da II Infância. Não obstante, na realidade, não passam de marionetes desengonçadas que cumprem os ditames do alto stafe do Capital nacional e internacional para solapar as riquezas do nosso país, vilipendiar o nosso patrimônio público, saquear o que temos de melhor, imbecilizar a sociedade, ultrajando a nossa Educação Pública, Gratuita e de Qualidade, submetendo-nos aos mais impensáveis vexames e rubores coletivos.

Percebam como tudo é minuciosamente arquitetado para que meia dúzia de mongoloides executem seus planos que, não por coincidência, no momento em que a sociedade brasileira deveria estar mobilizada para os enfrentamentos nefastos contra a supressão de direitos, imediatamente surge uma “bombástica” afirmação, desviando o foco das atenções, levando a todos a usar sua imaginação e criatividade para criar charges, pilhérias, memes e outros artefatos para ridicularizar o ator da vez. E assim são aprovadas leis, medidas provisórias, emendas constitucionais e outros arrazoados legais entreguistas, ilegítimos e supressores de inúmeras e dolorosas lutas que foram levadas anos a fio por nossos heróis nacionais possibilitando-nos algumas conquistas sociais.

*Por Lúcio José de Oliveira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome