Resultado do Clássico-Rei deixa rivais em contextos diferentes. Tricolor está com permanência encaminhada e mira vaga na Sul-Americana. O Alvinegro, apesar de situação mais difícil, segue dependendo unicamente de si.
Como era de se esperar, o Clássico-Rei foi decisivo para definição do cenário que Fortaleza e Ceará encontrarão para a reta final do Campeonato Brasileiro. Vencedor, o Tricolor ficou em situação mais favorável que o rival e encaminhou sua permanência na Série A para 2020, estando praticamente salvo. Já o Alvinegro segue ameaçado, mas continua dependendo somente de si para escapar do rebaixamento. Após a 32ª rodada, os dois times cearenses observam o cenário pós-clássico por ângulos distintos.

Com 39 pontos, o Leão do Pici ganhou uma posição, terminou a rodada em 13º e voltou a abrir cinco pontos de vantagem para a zona de rebaixamento, praticamente acabando com as possibilidades de queda. De acordo com o Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que realiza levantamentos estatísticos especializados em futebol, o Tricolor tem somente 2,5% de probabilidade de rebaixamento à Série B.

Atualmente na faixa de classificação para a Copa Sul-Americana, o time de Rogério Ceni tem boas chances de garantir vaga na competição internacional para o ano que vem. De acordo com a UFMG, 67,3% é a probabilidade do Leão conseguir disputar o torneio continental, o que seria inédito nos 101 anos de história do clube.

O contexto pode ficar ainda mais positivo no próximo domingo, tendo em vista que o Fortaleza enfrentará o CSA, time que está no Z-4, e tem a chance de se aproximar ainda mais da Sul-Americana e de deixar mais um adversário em situação conturbada.

“Foi traçado um objetivo que era brigar pra não cair e, hoje, diante das circunstâncias e com os jogos que ainda teremos pela frente, podemos pensar não somente isso mas também em conseguir uma vaga na Sul-Americana. Mas vamos com bastante tranquilidade, pensando jogo após jogo, objetivo por objetivo. É assim que a gente vai até o final”, destacou o goleiro Felipe Alves após a vitória sobre o Ceará, no último domingo.

Com a vitória no Clássico-Rei, de quebra, o Fortaleza ainda deixou o Ceará em situação complicada. O Alvinegro permanece com 36 pontos e viu a distância para o Z-4 cair para somente dois pontos, correndo risco de entrar na zona da degola já na próxima rodada do Brasileirão.

Ceará

O Vovô só não viu a situação ficar mais negativa por conta dos outros resultados da rodada. As derrotas de Fluminense e CSA para Internacional e Vasco, respectivamente, além do empate do Cruzeiro com o Atlético-MG, evitaram que os times que estão abaixo na tabela ultrapassassem o Alvinegro no último fim de semana.

Entretanto, o Botafogo venceu o Avaí e fez o Ceará perder duas posições na rodada (foi ultrapassado também pelo Fortaleza).

A probabilidade de rebaixamento do Vovô, no momento, é de 20,8%. Algo que complica ainda mais é a dificuldade dos adversários, tendo em vista que a equipe de Adilson Batista ainda enfrentará Flamengo, São Paulo e Corinthians, times que estão na parte de cima da tabela.

Pelo contexto, vitória sobre a Chapecoense é obrigação, mas o comandante alvinegro faz questão de refutar qualquer pressão pelo resultado.

“Quem comanda e quem dirige tem que ter serenidade, ter consciência e saber perder. Da minha parte continua o processo de organização, seriedade e respeito com o clube. Vamos focar em vencer em Chapecó. Espero um jogo difícil, como eles tem feito em outros jogos. Vamos nos preparar adequadamente para as dificuldades do jogo”, destacou Adilson Batista.

Se conseguir voltar de Chapecó com os três pontos, o Ceará chega aos 39 e verá o contexto ficar bem mais positivo, tendo em vista que precisará de mais seis pontos (ou duas vitórias) em cinco jogos restantes para alcançar os 45 pontos, o que, para o Departamento de Matemática da UFMG, praticamente sela a permanência na Primeira Divisão, já que deixa a probabilidade de queda para a Série B em somente 0.5%.

Secador

A partir de então, garantindo maior tranquilidade na luta contra a degola, será possível também prospectar outros objetivos, como vaga na Copa Sul-Americana. Atualmente, o Vovô tem 23.3% de probabilidade de conseguir vaga para a competição internaciona.

Além de Fortaleza x CSA e Chapecoense x Ceará, os torcedores alencarinos ficarão de olho nos outros jogos da 33ª rodada, “secando” as partidas dos adversários que poderão influenciar na situação dos dois times cearenses.

No sábado (16), o Fluminense enfrentará o Atlético-MG, às 19 horas, no Maracanã, em partida que o melhor resultado para alvinegros e tricolores é derrota do Flu ou, no máximo, empate.

No domingo (17), às 18 horas, mesmo horário do jogo do Ceará, o Botafogo vai até Curitiba enfrentar o Athletico-PR, na Arena da Baixada. Ocupando o 14º lugar, justamente separando Fortaleza e Ceará, o Fogão é concorrente direto de ambos, que torcerão por vitória do Furacão.

Na segunda-feira (18), em jogo que encerrará a rodada, o Cruzeiro enfrentará o Avaí, às 20 horas, no Mineirão. Mesmo invicto há dez jogos, com três vitórias e sete empates, o time mineiro está em 16º e, por isso, o melhor resultado para ambos é vitória do Avaí.

Apesar de estar na lanterna do Brasileirão, o time catarinense possui somente 17 pontos e já está virtualmente rebaixado, não oferecendo ameaça real para Leão nem Vovô. Independente de outros resultados, os times cearenses seguem dependendo somente de seus esforços para que os objetivos sejam alcançados. Restando seis jogos, não há outra coisa a se pensar a não ser fazer a própria parte.

Via Diário do Nordeste