A pandemia de coronavírus e o isolamento social fizeram bem aos negócios do CEO da Amazon

A riqueza de Jeff Bezos, CEO da Amazon, cresceu tanto desde o início deste ano que ele passou a ser duas vezes mais rico que Mark Zuckerberg, CEO do Facebook. Nesta quarta-feira (29), o patrimônio líquido de Bezos foi estimado em cerca de US$ 140 bilhões (cerca de R$ 700 bilhões), enquanto o de Zuckerberg ficou em torno de US$ 70 bilhões (cerca de R$ 350 bilhões).

Com isso, Bezos é um dos poucos empresários a ver sua riqueza aumentar desde o início da pandemia de coronavírus. Foram mais US$ 25 bilhões (aproximadamente R$ 150 bilhões) adquiridos desde o começo desse ano, fazendo do CEO da Amazon a pessoa mais rica do mundo.

Bill Gates, o segundo da lista, está US$ 35 bilhões (cerca de R$ 175 bilhões) atrás de Bezos. Zuckerberg, a quinta pessoa mais rica do mundo, viu seu patrimônio cair US$ 8,4 bilhões (aproximadamente R$ 48 bilhões) no mesmo período, que considera de janeiro a abril de 2020.

O aumento da riqueza de Bezos deve estar estritamente ligado ao crescimento na demanda da Amazon em meio ao isolamento social causado pela Covid-19, que obriga que as pessoas façam compras sem sair de casa.

Ainda que, na contramão do mundo, a Amazon esteja experimentando tempos dourados, a gigante do varejo foi alvo de protestos nos Estados Unidos e na Europa, contra suas medidas de segurança falhas frente à pandemia.

Na França, especificamente, uma ordem judicial estipulou que a empresa só fizesse a entrega de itens essenciais até se adequar às normas de segurança do país. A ação levou a Amazon a fechar seus armazéns franceses até, no mínimo, dia 5 de maio.

Fonte: Olhar Digital