Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza, foi a cidade com o maior índice de homicídios registrados no Brasil entre os municípios com mais de 100 mil habitantes, segundo o “Atlas da Violência”, pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta segunda-feira (5). A cidade de Fortaleza aparece com o pior número entre as capitais do país.

O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou que o estado melhorou os índices de violência nos últimos anos. Com isso, de acordo com Santana, os resultados de 2018 e 2019 devem ser melhores que os registrados pelo último Atlas.

“Acho que muitas ações foram feitas de 2016 pra cá no estado: aumento do policiamento, trabalho de inteligência, tecnologia, novos equipamentos. Vamos aguardar uma atualização (dos dados). Esse ano o estado do Ceará tem mostrado um avanço nas ruas e também dentro do sistema prisional, o que já era planejado pra ser feito. Então é um conjunto de fatores que tem contribuído para que todos os indicadores da violência tenham melhorado”, disse.

O Ipea, junto do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, estudou 310 municípios brasileiros, dos quais nove são cearenses: Caucaia, Crato, Fortaleza, Iguatu, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape e Sobral.

Conforme a pesquisa, foram 145,7 assassinatos para cada 100 mil habitantes em Maracanaú. A cidade tinha 224.804 moradores e teve um total de 328 homicídios no ano de 2017. Caucaia, também na Região Metropolitana, teve a segunda pior colocação do estado, com índice de 96,6 homicídios a cada 100 mil habitantes.

Já a capital cearense consta como terceira do ranking, com 87,9 mortes violentas. A menor taxa entre os municípios do Ceará é de Itapipoca, no interior do estado, com índice de 11,1.

Aumento da violência

No Atlas da Violência divulgado em 2018, que considerou os dados de 2016, Maracanaú já tinha o pior índice do Ceará, mas era o 7º colocado no Brasil, com 95 homicídios a cada 100 mil habitantes.

O aumento considerável do índice é reflexo do ano sangrento de 2017 no Ceará, quando mais de 5 mil pessoas foram mortas, a maioria delas por disputa de facções criminosas pelo território para o tráfico de drogas. Nesse mesmo ano, o Ceará foi o estado com maior crescimento na taxa de homicídios, de acordo com o Atlas.

O número de 87,9 mortes a cada 100 mil habitantes, em 2017, fez com que Fortaleza tivesse o pior índice de homicídios entre as capitais brasileiras. Na sequência, vêm Rio Branco, no Acre, com 85,3, e Belém, no Pará, com 74,3; Cuiabá, no Mato Grosso, tem o melhor número, 28,8.

A pesquisa mostra que as grandes cidades do Nordeste e do Norte concentram as piores taxas de homicídios.

Dos 20 municípios mais violentos, 18 estão nessas duas regiões. Logo atrás de Maracanaú, estão Altamira, no Pará, com 133,7 mortes a cada 100 mil habitantes; e São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, com 131,2 assassinatos.

Jovens assassinados

Em 2017, 35.783 jovens foram assassinados no Brasil. Esse número representa uma taxa de 69,9 homicídios para cada 100 mil jovens no país, taxa recorde nos últimos dez anos. Homicídios foram a causa de 51,8% dos óbitos de jovens de 15 a 19 anos; de 49,4% para pessoas de 20 a 24; e de 38,6% das mortes de jovens de 25 a 29 anos.

O Ceará aparece na lista com o segundo estado com maior violência contra os jovens, com uma taxa de 140 mortos para cada 100 mil habitantes. O Ceará só perde para o Rio Grande do Norte, que está no topo da lista com mais índice de 152,3.

Os estados com as menores taxas de homicídios entre jovens foram São Paulo (18,5), Santa Catarina (30,2) e Piauí (38,9).

Fonte: G1 CE