A decisão do Instagram de remover, em forma de teste (ou seja não é algo definitivo), o número total de curtidas em fotos e visualizações de vídeos no feed e no perfi, deve estar mexendo com a cabeça de todos os usuários. Porém, um grupo deve estar mais incomodado, ou mesmo desesperado, com a medida da rede social: os influenciadores digitais.

A ideia de vender um serviço via Instagram pode sofrer um pequeno ou grande abalo em curto espaço de tempo. Digo em curto, pois, logicamente, todos encontrarão uma saída para seguir negociando seus espaços com anunciantes. Até porque os donos dos perfis terão acesso ainda as curtidas que os usuários seguirão dando nas fotos e ainda será possível para o criador saber os dados de visualização dos vídeos no feed.

Então, a médio prazo as coisas não serão esse fim de mundo que alguns estão pregando.

A rede social quer que seus usuários se foquem na criação e distribuição dos conteúdos e não na disputa entre eles por quem é mais famoso e tem mais destaque no Instagram.

Eles querem conteúdo para a rede e não lutas por espaço e negócios. O teste no Canadá, iniciado em maio último, segue da forma que será aqui no Brasil, onde temos uma gama imensa de pessoas que se auto-intitulam influenciadores digitais. Elas negociam sua grande audiência com empresas e recebem por isso. É um negócio. Não estão erradas, sejamos sinceros. As empresas também não. Querem um público específico e vão pagar por isso. É um negócio como outro qualquer.

O certo é que a medida dela vai funcionar mais esteticamente. A menos teoricamente o dono do perfil poderá abrir seus números para a empresa em busca de um fechamento de negócio. A empresa pode exigir isso para fazer o aporte. Seria como ter acesso ao Analytics de um site, por exemplo.

A questão é: até quando o Instagram irá liberar esses dados? Se ele realmente quer fechar este espaço de negócios na rede social, o que eu sinceramente não sei se é o objetivo do teste, o mais interessante para o Instagram seria bloquear o acesso aos dados até para nós, os donos do perfil.

Como até os testes do Canadá ainda não foram finalizados, essas dúvidas irão pairar bom um tempo. E você? O que achou da medida? Acha positivo que evitemos essa disputa por números e foquemos na criação e distribuição de conteúdos?

Fonte: Diário do Nordeste