Um músico de Fortaleza foi detido pela polícia por passar trotes para mães de crianças que fazem trabalhos como modelos infantis afirmando que havia cometido estupro contra as meninas. Os relatos, conforme a polícia, não passavam de trotes. A detenção foi feita na quinta-feira (14) e divulgada nesta segunda.

O homem de 36 anos confessou a prática delituosa e, por enquanto, vai responder em liberdade a um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pela contravenção de perturbação de tranquilidade, mas, conforme as investigações, pode ser enquadrado por mais dois crimes.

Vítimas de MG e SP
As vítimas dos trotes moravam em São Paulo e Minas Gerais. As mães chegaram a registrar mais de 10 boletins de ocorrência sobre os supostos casos de estupro nos dois estados, contra meninas entre cinco e nove anos, que ele encontrava principalmente em rede social.

Segundo a polícia, ele começou a ligar para as vítimas por volta de março e abril de 2019. Os telefonemas geralmente eram durante a madrugada, e o músico afirmava que havia cometido estupro contra as crianças.

O suspeito dava características das crianças e narrava, na maioria das vezes, para as mães o falso crime. Com medo, os pais procuravam a polícia e realizavam exames de corpo de delito nas crianças, constatando que o crime não havia ocorrido. Com o registro dos boletins de ocorrência, uma investigação policial foi iniciada, levando ao suspeito em Fortaleza.

“Imagine o desespero dessas mães, dessas famílias, ao tomar conhecimento, durante a madrugada recebendo ligações, de estranhos afirmando que havia estuprado as suas filhas. Normalmente, criancinhas que ele selecionava em perfis de modelos infantis pela rede social Instagram. A Polícia Civil do Estado de São Paulo, juntamente com a Polícia Civil aqui do Ceará, o 1º DP, nós realizamos essas investigações e concluímos que, para dificultar a identificação, ele cadastrava as linhas telefônicas que ele fazia essas ligações, em nome de terceiras pessoas”, comenta o delegado.

Computadores, celulares e notebooks foram apreendidos com o suspeito e vão passar por perícia para verificar se havia material de pornografia infantil armazenado. A polícia acredita, ainda, que possa haver mais vítimas em outros estados, incluindo o Ceará.

Crimes e contravenção
O delegado detalhou ainda ou os outros dois crimes pelos quais o rapaz vai responder. “Não houve somente a contravenção penal de perturbação da tranquilidade, mas também o crime de falsidade ideológica pelo fato dele fazer um documento de cadastro junto às operadoras utilizando nomes de terceiros. Temos também o crime de apropriação de coisa achada, uma vez que ele afirma que um dos documentos que ele utilizou foi encontrado em um veículo de aplicativo. São dois crimes e uma contravenção penal que estão sendo apurados”, explica o delegado Renê Andrade.

Fonte: G1 CE