A nova prova do Enem será realizada nesta terça-feira (10) e quarta-feira (11) em outros locais do Brasil para estudantes que foram prejudicados nos dias do exame regular em novembro
Pelo menos 559 candidatos do Ceará que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 nos dias 3 e 10 de novembro pediram ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) a reaplicação das provas alegando terem sido prejudicados na primeira realização do exame. Mas, o órgão federal não aceitou nenhum dos pedidos e não haverá repetição da prova no Estado.

A nova prova do Enem será realizada nesta terça-feira (10) e quarta-feira (11) em outros locais do Brasil. A reaplicação do Enem, segundo o Inep é realizada para participantes que tiveram problemas logísticos durante o exame regular.

No Ceará, embora mais de 500 pessoas tenham ingressado com recursos argumentando terem sido prejudicadas, o Inep avaliou que nenhum candidato atestou, de fato, que passou, por exemplo, por problemas logísticos que comprometessem a infraestrutura do local de prova ou falta de energia que comprometesse a visibilidade da prova. Os dados foram obtidos pelo Diário do Nordeste via Lei de Acesso à Informação (LAI).
Além disso, nenhuma das pessoas que solicitou a replicação, conforme o Inep, evidenciou de forma efetiva, que tenha sido prejudicada por algum erro de execução de procedimento do aplicador no dia da prova. Os candidatos tiveram de 11 a 18 de novembro para solicitar a reaplicação do exame.

A estudante Beatriz Esteche, 20 anos, moradora de Fortaleza teve o pedido de reaplicação recusado. Ela foi uma das candidatas que fez prova na a Escola Municipal Martinz de Aguiar, no bairro Monte Castelo, onde ocorreu uma confusão no segundo domingo de prova, dia 10 de novembro.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), no dia do Enem, a Polícia Militar foi acionada para atender uma ocorrência provocada por homens que seguiam para o jogo entre Ceará e Fortaleza.

No dia, conforme a SSPDS, o coordenador da unidade escolar relatou que homens passavam pela via se depararam com um grupo rival, o que resultou no início de uma confusão no momento que os candidatos se preparavam para entrar na escola. O grupo entrou na instituição de ensino e saiu em seguida. Ninguém ficou ferido durante a ação e não houve danos patrimoniais ao prédio público.

Estudantes, no dia da prova, relataram ao Diário do Nordeste que houve correria e os candidatos ficaram bastante nervosos. A prova do Enem, segundo eles, foi aplicada instantes após a confusão e não houve tempo adicional para os candidatos que estavam no local.

Impacto

A candidata Beatriz conta que solicitou a replicação justamente porque se sentiu prejudicada por esse episódio. “Eu vi que foi negado e liguei para o 0800 do Inep, mas ninguém soube explicar o motivo de terem negado”, relata. De acordo com a estudante, que busca ingressar no curso de Medicina, no segundo dia de Enem, o tumulto, além de ter atrasado o início da prova ainda deixou os candidatos bastante tensos.

De acordo com Beatriz, vários candidatos da sua sala receberam a prova com atraso. “Eu fiquei agitada e não conseguia me concentrar para ler”, reforça. A candidata diz ainda que no preenchimento do recurso junto ao Inep para tentar a reaplicação, ela teve que marcar uma das opções (falta de energia, desastre natural ou erro de execução de procedimento por parte do aplicador), mas nenhuma representava o que os candidatos haviam passado na Escola Municipal Martinz de Aguiar.
Reaplicação em outros estados

No Ceará, o segundo dia de prova do Enem, no dia 10 de novembro, teve a presença de 222.424 candidatos, o que equivale a 75,4% dos inscritos. Com isso o Estado teve o 5º menor índice de faltosos em 2019, se comparado aos outros 25 estados.

As provas que serão reaplicadas esta semana seguem o mesmo modelo do exame regular, são: 180 questões distribuídas igualmente por Linguagens e Códigos, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática, além da Redação

Segundo o Inep, as notas do Enem podem ser usadas para concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas de estudo em instituições privadas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni).
Via Diário do Nordeste