Em sua primeira entrevista após a chegada ao asilo político no México, Evo Morales, presidente boliviano vítima de golpe de Estado, denunciou a responsabilidade dos Estados Unidos, da Inglaterra, e da Organização dos Estados Americanos (OEA) na escalada de violência que o levou a renunciar.

Os três atores internacionais citados pelo boliviano foram os primeiros a reconhecer a autoproclamação da senadora Jeanine Áñez como presidenta do país.

“Não aceitam um índio presidente, nossas politicas sociais e econômicas de nacionalização dos recursos. Não aceitam que nós indígenas sejamos anti-imperialistas e anticolonialistas”, declarou

Morales denunciou novamente a conduta violenta da oposição, direcionada contra a população mais pobre e de traços indígenas. Ele citou invasões a residências de parlamentares, incêndios em órgãos públicos e entidades ligadas a seu partido e amaças de queimar pessoas ligadas a ele.

“Usaram a bíblia e Jesus Cristo para conspirar contra o povo, fazem orações e saem me xingando com palavrões. Usam orações para fazer o povo odiar, a bíblia para discriminar e odiar indígenas, as mulheres que andam com pollera [saia típica das cholitas] pelo país”, asseverou.

“Esta classe de governo está sendo reconhecida pelos Estados Unidos, pela Inglaterra e a OEA”, lamentou Evo.

No metan bala!

O presidente da Bolívia desde 2006 também voltou a fazer um apelo pelo fim da violência no país. Segundo ele, antes de sua renuncia, apesar da conduta violenta da oposição, suas ordens à polícia e às forças armadas eram de não reprimir com violência os atos.

Morales reafirmou que sua renúncia foi um movimento para salvar a própria vida, mas também para que não houvessem outros mortos no país. “Não atirem nas pessoas”, suplicou às forças armadas.

“Não comprei aviões, helicópteros para que metessem bala no povo. O que esta acontecendo com os comandantes da polícia e das forças armadas? Perderam o sentido de solidariedade? De vida? Nos meus 13 anos de governo nunca tive esse problema.”

Chamado ao diálogo

Evo Morales disse querer voltar em breve ao país e chamou a oposição a um diálogo nacional.

“Quero voltar para minha terra, peço por um diálogo nacional, com instituições, com países acompanhando. Chamo por um acordo para pacificar a Bolívia, a violência. Parem com o massacre.”

Ele também afirmou ter feito tudo o que era possível para evitar a escalada da violência após a divulgação do resultado das eleições que o declarou vitorioso em primeiro turno. Morales citou tentativas de diálogo com os partidos da oposição e, inclusive, a convocação de novas eleições.

“No fundo é uma questão de classes. Grupos oligárquicos se organizam para acabar com um movimento que construímos com muita luta, muito esforço e compromisso. Deixamos de ser um país mendigo. Usaram a OEA, a polícia e as forças armadas para massacrar a Bolívia.”

Fonte: Brasil de Fato