A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) investiga uma denúncia de estupro nas imediações do Instituto de Educação Física e Esportes (IEFES) da Universidade Federal do Ceará (UFC), no bairro Pici. O caso ocorreu na tarde dessa sexta-feira, 17, e foi registrado no plantão do 10º Distrito Policial (DP). De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a ocorrência é investigada pelo 27° DP, responsável pela área.

A aluna do curso de Educação Física estava saindo da Universidade quando pediu carona a um desconhecido em razão da falta de coletivos na área do IEFES. De acordo com nota divulgada pelo Centro Acadêmico Ayrton Senna, ela acabou sendo vítima de estupro pelo motorista, que estava armado.

Procurada pelo O POVO Online, a UFC afirma que, ao tomar conhecimento do fato, prestou apoio à vitima e a acompanhou até um hospital para atendimento médico. A instituição também levou a estudante ao 10º DP para registro de Boletim de Ocorrência e depois a encaminhou ao Instituto Médico Legal (IML) para realização de exames.

A Universidade diz ainda que colabora com a investigação e nega a falta de transporte, que estaria funcionando normalmente nessa sexta. “A UFC lamenta o ocorrido e solidariza-se com a vítima, além de tomar todas as providências necessárias”, diz a nota.

O Centro Acadêmico Ayrton Senna repudia toda e qualquer forma de violência e acusa a Universidade de “desleixo” com o Instituto. Os estudantes afirmam que, pela falta de transporte, precisam se dirigir ao bloco por caronas ou a pé, alegando risco de assalto.

“Há tempos que nós, alunos do curso de Educação Física, nos mobilizamos em virtude do transporte e segurança. Este ano não foi diferente. Tentamos de todas as formas, passamos por várias medidas burocráticas, realizamos intervenções, mas pouco foi feito pelas instâncias superiores”, diz o texto. “Ainda estamos sujeitos a uma onda de cortes de verbas que só tende a piorar nossa situação. Não podemos e não vamos nos calar”.

Manifestação

Está programado para esta segunda-feira, 20, um ato em defesa dos estudantes no Campus do Pici, a partir das 10h30min. Os alunos querem chamar atenção da gestão para a falta de segurança. Segundo o Centro Acadêmico, o Instituto conta com 700 alunos nos três turnos, além de estudantes de outros cursos que participam de projetos de extensão e pesquisa no IEFES.

Fonte: O Povo