O aquífero Julião está em fase de teste e a redução do volume de água em torno de 30% foi pontual, em apenas dois poços, que foram perfurados mais recentemente, por meio de perfuratrizes. O esclarecimento foi dado pelo prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor, na tarde desta sexta-feira, 18.

Nos últimos dias, houve reclamação de moradores acerca de falta de água em vários bairros da cidade e da redução de pressão, insuficiente para reabastecer caixas de água em algumas casas.

Diante da escassez de água nas torneiras houve vários comentários sobre a oferta de água no aquífero Julião, que estaria abaixo do esperado. O prefeito Ednaldo Lavor e o superintendente do SAAE, Rafael Rufino, esclareceram que os poços do aquífero Julião estão operando há 15 dias e estão em fase de teste.

“O problema de queda de vazão foi em apenas dois poços”, reafirmou o prefeito. “Não procede a informação de que houve redução de 30% no aquífero do Julião”.

Rafael Rufino esclareceu que em dois poços que foram perfurados por meio de máquinas perfuratrizes por uma empresa contratada apresentaram vazão abaixo do esperado. “Estamos analisando e acreditamos que houve problema na montagem dos canos no terreno sedimentar, que difere do cristalino”, explicou. “A porosidade dos canos pode ter fechado”.

Outra hipótese em análise decorre do uso de uma resina que pode ter reduzido a porosidade. “Os demais poços rasos, perfurados por trado manual, estão mantendo a vazão inicial”, pontuou Rafael Rufino.

Falta de água

A falta de água nos últimos dias decorre de ajustes no sistema de bombeamento do Julião, segundo esclareceu o superintendente do SAAE. “Precisamos fazer adequações no bombeamento e houve o rompimento de um dos canos, interrompendo a retirada de água por cerca de oito horas e tudo isso afeta a distribuição de água para as casas, mas acreditamos que até segunda-feira próxima tudo estará normalizado”.

A água do açude Trussu não está mais vindo para Iguatu, ficando limitando ao distrito de Suassurana e à cidade de Acopiara. O SAAE informou que o tratamento da água para Suassurana é viável, pois o número de consumidores é reduzido.

O SAAE também esclareceu que está sendo perfurado mais um poço raso no Julião e outro na bacia do Rio Jaguaribe para ampliar a oferta de água no sistema de abastecimento de Iguatu. “O nosso esforço é para assegurar o abastecimento, com água de qualidade para todas as famílias”, frisou Rafael Rufino.

Recentemente, entrou em operação uma adutora que foi instalada em parceria com o governo do Estado a partir da Bacia do Rio Jaguaribe até a Estação de Tratamento de Água (ETA) no bairro Cocobó, com o objetivo de ampliar a oferta de água para o sistema local de abastecimento. De acordo com o SAAE o resultado foi animador e quantidade de água vinda do Jaguaribe foi duplicada.

Preocupação

Apesar da existência de água no lençol freático, tanto na bacia do Rio Jaguaribe, quanto no aquífero Julião, o verão prolongado (setembro a fevereiro) traz preocupação para os moradores e técnicos em recursos hídricos. A tendência é o aumento do consumo e a redução na oferta de água. As lagoas estão secas, os açudes estão secando.

“A gente fica preocupado, com medo de enfrentar racionamento, de a água não ser suficiente para atender a necessidade”, disse o empresário, Gerson Alves. Já a aposentada, Francisca Alves, moradora da Rua do Cruzeiro, disse que a água nas torneiras chega por poucas horas e falta em seguida. “Quem não tem caixa, sofre quando falta água”, lamentou.

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Sebastião Alves, lembrou que o Julião sempre foi um assunto polêmico. “Fica esse problema, uns acham que não tem água suficiente, outros dizem que tem muita água”, comparou. “Com certeza, o tempo vai dizer quem tem razão, mas acho que cada um de nós precisa economizar, usar água de forma consciente”. E ele finalizou: “Vamos rezar para que venha muita chuva no próximo ano”.

Números

A nova adutora do Rio Jaguaribe tem cerca de 1500 metros e foram investidos R$ 1.055.000,00.

A nova adutora transfere 285 mil litros de água por hora.

Quatro poços perfurados no Aquífero Julião tiveram vazão entre 100 e 130 mil/litros de água por hora.

A expectativa é que após os testes, os poços do aquífero devem fornecer mais de 350 metros cúbicos de água por hora.

O consumo de água de Iguatu é em torno de 700 mil litros por hora.

Fonte: Diário Centro Sul