Na manhã desta quarta-feira, 4, no Centro Comunitário Santo Antônio, o consultor técnico, João Álcimo, apresentou números de receitas e despesas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) para professores da rede municipal, que estão em greve desde setembro passado.

A prestação de contas havia sido solicitada pelo Sindicato dos Professores de Iguatu.

“Atendemos o pedido do sindicato, fizemos uma apresentação detalhada com clareza, sinceridade e esperamos o fim da grave”, disse o prefeito Ednaldo Lavor. “A nossa proposta desde o início é o que podemos cumprir”.

Os docentes vão realizar ainda na tarde desta quarta-feira, 4, nova assembleia, na sede da Associação das Mulheres de Iguatu (AMI) para decidir se continua ou não com o movimento grevista.

“Vamos analisar os dados apresentados e decidir, ouvindo a categoria, sobre o fim ou continuidade da greve”, explicou Edhe Nobre, presidente do Sindicato dos Professores de Iguatu.

O secretário de Educação, Pablo Neves, também apelou para a sensibilidade da categoria. “Temos preocupação com a situação, porque queremos garantir aos alunos o direito de assistir aula, éramos para estar encerrando o ano letivo, mas a continuidade da paralisação é desgastante para alunos, pais e para os próprios professores. Só nos resta apelar para á sensibilidade dos professores”, frisou. “Desde o início que estamos na mesa de negociação com a categoria, buscando um acordo”.

Muitos professores não aderiram à greve, outros que tinha aderido retornaram ao trabalho.

O prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor, disse que a reunião foi muito proveitosa. “Agradeço a participação dos professores, do sindicato, o comportamento de todos, e esperamos o fim da grave, conversamos de forma respeitosa, clara, e mostramos a situação financeira, o impacto nas finanças do município”, disse o gestor.

A Prefeitura de Iguatu apresentou proposta de pagamento retroativo do do anuênio referente ao período de 2017 a 2019, que trará impacto de mais de R$ 3 milhões. O pagamento do anuênio de 1,5% referente aos três anos perfaz 4,5%. O Sindicato solicitou pagamento do anuênio retroativo a 2007.

Fonte: Diário Centro Sul