Na Praia do Preá, no município de Cruz, litoral do Ceará, está ocorrendo o “Surfin Sem Fim”, projeto que reúne atletas de kitesurfe de todo o mundo. A ideia é oferecer experiências através de downwinds (percursos escolhidos para conhecer o mar e praias de uma região) que rendem boas kite trips, planejadas para conhecer os melhores pontos de prática do esporte, durante a temporada. Ideia é respeitar a natureza, a sustentabilidade e os nativos de cada região.

A Praia do Preá, conhecida mundialmente como uma espécie de “meca” do kitesurfe, por conta das melhores condições climáticas existentes na região, foi o local escolhido para o evento.

Ventos alísios (que ocorrem durante todo o mês de julho nas regiões subtropicais), água morna, e mar ideal para esportes aquáticos foram a combinação perfeita para dias de velejo. É o que dizem os praticantes de kite que frequentam o local.

A rota conhecida como “Terra do Vento”, começa em São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte, e vai até Atins, no Maranhão, passando pelo Preá, no Ceará. O “Surfin Sem Fim” oferece rotas nacionais e internacionais, com percursos que podem partir de 40 até mil quilômetros percorridos pelo mar. Os trajetos são realizados unicamente através do velejo.

A abertura do evento foi no Rancho do Peixe e reuniu atletas importantes do kite, como Mitu Monteiro, de Cabo Verde. Ele compete na categoria Strapless (manobras aéreas) e sempre treina na Praia do Preá. “A temporada de ventos fortes em Cabo Verde chegou ao fim. Hora de me preparar no Preá, junto à minha família, sorte de poucos”, disse.

Para Marco Dalpozzo, idealizador do “Surfin Sem Fim” e apaixonado pelo kitesurfe, começar mais uma nova temporada é a certeza de experiências incríveis por todo o trajeto. “Vou deixar o vento me levar”, enfatiza.

Fonte: Diário do Nordeste