O período junino é um dos mais celebrados do Nordeste. As tradições, como as fogueiras, comidas típicas e quadrilhas juninas animam a população e também aquecem o comércio.

Em Iguatu atualmente o principal ponto de vendas de artigos juninos é a Avenida Fransquinha Dantas, onde vendedores há anos armam suas barracas nesse período.

Todos eles desenvolvem outras atividades, mas veem nesse período uma forma de complementar a renda ou obter um recurso a mais.

Esperança, mesmo com a crise

Ivan Rodrigues é agricultor e pedreiro, mas no período junino vende explosivos há mais de 20 anos. Sua barraca fica na avenida durante dois meses, do final de maio ao começo de julho, quando deixa as outras atividades. Ele se mostra esperançoso, mas lembra que a crise acaba afetando o setor também.

Ivan Rodrigues é agricultor e pedreiro, mas no período junino vende explosivos há mais de 20 anos. Ele conta que foi o primeiro a chegar para vender os artigos, ainda no final de maio.

Sua barraca fica na avenida durante dois meses, do final de maio ao começo de julho, quando deixa as outras atividades.

Ele se mostra esperançoso, mas lembra que a crise acaba afetando o setor também. “Estou confiando que vou ter boas vendas, apesar de a gente saber que o país está passando por uma crise, né?”, comenta.

A comparação com o ano passado e a copa do mundo

Ivan afirma que nesse ano já era esperada uma queda nas vendas, já que ano passado houve uma pequena melhora ocasionada pela copa do mundo.

Outro comerciante do local é Ivan Eduardo, que chegou na avenida há cerca de 10 dias, mas está no segmento faz aproximadamente 20 anos. Na Avenida Fransquinha Dantas ele já soma 5 anos. Sobre a expectativa desse ano ele espera uma queda se comparada ao ano passado, quando a copa do mundo e os jogos da seleção ajudaram a vender mais. “Ano passado era mais animado, com os jogos, esse ano deve diminuir um pouco”, lamenta.

De pai para filha

Dona Ana Lúcia deu continuidade ao trabalho do pai, que também vendia artigos juninos. Ela também aposta na programação festiva no parque de exposições para atrair clientes

Dona Ana Lúcia divide a pequena barraca com o filho e conta que a venda de fogos vem do pai dela. Quando o pai faleceu ela seguiu com a venda. Ela também aposta em uma melhora nas vendas por conta das festividades juninas no Parque de Exposições, próximo à avenida.

Um ponto recente para a atividade

Apesar de a avenida ser o ponto de venda desses artigos atualmente, nem sempre foi assim. Os vendedores mais antigos lembram que antes o principal local de vendas era a Avenida 13 de Maio. Apenas há cerca de 5 anos os vendedores passaram a ser direcionados para a Avenida Fransquinha Dantas tanto para dar uma referência e facilitar a localização oferece um espaço aberto buscando mais segurança.

*Por Jan Messias